Flávio de Carvalho

Amparo da Barra Mansa, RJ, 1899 – Valinhos, SP, 1973


A experimentação era primordial na obra de Flávio de Carvalho, pai dos happenings e performances, que chamava de experiências suas práticas interdisciplinares que não tinham vinculação com as categorias tradicionais da arte. A mais conhecida delas é a criação de uma roupa masculina tropical, em 1956. Essas ações vinham de uma postura anárquica do artista e pretendiam investigar a psicologia das massas.


Em sua obra, seja a pintura, arquitetura, desenhos ou experiências, o enfoque é constantemente no indivíduo e suas emoções: o sentimento de medo, de dor, de prazer, de alegria e de angústia perante da vida e da morte. O trato com a morte lida principalmente em colocar limites em cheque, como a conhecida série de desenhos Minha mãe morrendo.


Engenheiro, arquiteto, designer, cenógrafo e artista plástico, Flávio de Carvalho deixou uma obra extensa, que faz parte dos mais importantes acervos de instituições do país. O grande número de trabalhos, porém, ficaram espalhados – no final de 2013, trabalhos do artista dados como perdidos foram achados no Theatro Municipal, biblioteca Mário de Andrade e no Arquivo Histórico.

Sem titulo

Sem titulo

Óleo sobre tela

73x67cm

1972