Leda Catunda

São Paulo, SP, 1961


Participante do fenômeno que ficou conhecido como Geração 80, leva de novos artistas que tiveram reconhecimento fulminante no cenário artístico paulistano, Catunda foi aluna de Nelson Leirner e herdou deste o interesse pela apropriação de objetos. Ao utilizá-los como suporte para um tipo muito particular de pintura, tanto figurativa como abstrata, a artista combina esses objetos com práticas tradicionalmente femininas, como a costura e o bordado.


Catunda dá preferência aos objetos com os quais ela havia tido uma história em comum ou que lhe eram familiares – como a capa da poltrona da sala de jantar, a lona do guarda-sol, a colcha da cama dos pais – recusando que esses objetos fossem esquecidos. As características intrínsecas desses suportes são apropriados por Catunda fazendo com que seus trabalhos tenham as formas irregulares desses objetos.

Cérebro stand

Cérebro stand

Acrílica sobre tecido, luzes, madeira e acílico

180 x 176 x 26 cm

1988